Quarta-feira, 17 de Novembro de 2010

.Copiona [MEC]

Eu e o MEC nem sempre tivemos uma boa relação. Li algumas coisas dele que até gostei, mas no dia em que terminei de ler “O amor é f*****” senti-me defraudada. Esperava mais, melhor, não gostei. As crónicas diárias dele no Público obrigaram-me a fazer tréguas, a pedir desculpa, a fazer as pazes. São qualquer coisa. Chegam a deixar-me arrepiada. Com uma pontinha de inveja-da-boa. Aparece sempre que vejo alguém que tem a certeza que ama, e que não tem medo de o escrever ao mundo. É ao lê-lo todos os dias que lhe perdoo aquele primeiro impacto, que peço desculpa, – talvez ele só o tenha afirmado porque ainda não tinha experimentado nada assim, não tinha amado assim, não tinha sentido vontade de o gritar assim. Sim, o amor pode ser realmente a palavra começada por ‘F’. Mas talvez ele agora acrescentasse: ‘às vezes”. Ou “para o mal e para o bem”. O que interessa é que existe, seja lá ele o que for, como for. O amor. E que há quem ouse escrevê-lo por aí.

Lá fora: “E sentiu escorrer do coração/A humidade quente da loucura"
L. às 12:45
link | comentar | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Agora

. .Feliz Natal e um 2019 ch...

. .Das mães

. .Hoje

. .2

. .Hoje morreu um homem bom

. .Ela

. .22

. .Dos fins de semana bons ...

. .Adeus, Inderal! [com ima...

. .O batizado da Aurora

. .A caminho dos 19

. .A queda

. .I'm sixteen going on sev...

. .O nosso ovo

. .Da culpa

.Ontem

.tags

. todas as tags

.Mundo

blogs SAPO

.subscrever feeds