Quarta-feira, 21 de Julho de 2010

.Eternal Sunshine of the Spotless Mind*

(este texto contém spoilers - sempre quis dizer isto)

 

Nos últimos dias comecei quatro posts que terminaram na Reciclagem. Alguns já depois de escritos, lidos, reformulados. Apaguei-os sem pensar duas vezes. Tenho preferido apoderar-me das palavras dos outros para dizer o que me vai na alma. Mas as minhas palavras continuam cá dentro, agarradas ao que penso, ao que sinto, porque, ao contrário do filme que finalmente vi no domingo, somos obrigados a carregar com tudo, sem oportunidade de apagar o que quer que seja (e valeria a pena?). Na hora de decidir, seguimos em frente conscientes de todos os antes acumulados.

“Tudo tem uma razão de ser – não acreditas no destino?”, responde-me a So. na nossa viagem de quatro horas. Terminei de ver o filme com as palavras dela a ecoarem na minha cabeça. De todas as personagens a quem é dada uma segunda oportunidade, todas voltam a encontrar o que um dia tentaram esquecer. Estaremos todos irremediavelmente destinados a qualquer coisa? Sabendo nós o que correu mal, o que nos fez querer seguir em frente, podemos voltar a desejar o passado? Guardamos na alma detalhes suficientes para voltarmos ao que já sentimos um dia? Conhecer os nossos erros é a melhor solução para não voltar a cometê-los?

Já me tinham falado várias vezes do filme. “Tu, que gostas de filmes estranhos, vais passar-te com isto”, “Tu, que vês sinais em todo o lado, vais ficar a pensar naquilo a vida toda”, “Tu tens que ver isto porque preciso que alguém o discuta comigo”. E eu, que gosto de filmes esquisitos, passei-me com aquilo. Eu, que vejo sinais em todo o lado, continuo agora a ver as cenas a desenrolarem-se na minha cabeça. Eu precisava mesmo de escrever sobre isto.

No final, sabendo tudo, depois de tudo esquecer, temos sempre duas opções, diz-nos o filme. Agarramos em todas as nossas falhas passadas e tentamos fazer-nos ao mesmo caminho de antes, atentos aos erros de outros dias; ou arrumamos as tralhas na mala e procuramos outro rumo, sabendo que um dia o outro não nos serviu e que quisemos simplesmente eliminá-lo. A minha começa a desenhar-se.

 

 

* Obrigada pela partilha. Do filme, do sofá, do dia, de ti.

 

Lá fora: 

“Blessed are the forgetful: for they get the better even of their blunders.”, Friedrich Nietzsche

L. às 13:07
link | comentar | favorito
3 comentários:
De T. a 22 de Julho de 2010 às 03:12
Grande filme, boa escolha...
De Carlos Manuel Lopes da Silva a 23 de Julho de 2010 às 14:40
O que são "spoilers" num texto?
Só conheço os dos carros, aviões, etc..
:)
De L. a 24 de Julho de 2010 às 13:04
São revelações sobre o enredo. :)

Comentar

.Eu

.pesquisar

 

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Agora

. .Feliz Natal e um 2019 ch...

. .Das mães

. .Hoje

. .2

. .Hoje morreu um homem bom

. .Ela

. .22

. .Dos fins de semana bons ...

. .Adeus, Inderal! [com ima...

. .O batizado da Aurora

. .A caminho dos 19

. .A queda

. .I'm sixteen going on sev...

. .O nosso ovo

. .Da culpa

.Ontem

.tags

. todas as tags

.Mundo

blogs SAPO

.subscrever feeds