10 comentários:
De Olga S. a 7 de Abril de 2010 às 17:56
Perco muita coisa nas viagens solitárias de carro. Confesso, tenho algumas saudades dos transportes públicos .Todos os dias tinha algo de novo para contar.
Sabes , também sou assim , falo muito com pessoas que não conheço .
De Descalça a 7 de Abril de 2010 às 20:55
Sempre que leio aqui estas pequenas histórias, lamento todas as vezes que, por razões várias, opto por me fechar e não dar seguimento a conversas com desconhecidos. Tudo o que aqui leio confirma o que a minha pouca experiência em situações semelhantes me diz: podem perder-se uns minutos de música, silêncio ou reflexão individual, mas ganha-se tanto!!
De Anónimo a 11 de Abril de 2010 às 01:04
"Passa um olhar,
Cruza-se mais e mais uma vez
Passa-me ao lado…
Cruzam-se mãos,
Enlaçam-se um segundo…
Limites da razão,
São passados pelo coração,
Mas sem abandonar o medo…
É preciso amar sem restrições
Dar asas às paixões
Para que nos levem mais alto…
Há que saber voar,
Darmo-nos sem recear
Ao que a vida tem para nos dar…
Porque se existe felicidade,
Reside na estranha capacidade
Que temos para amar…
Se a vida passa por nós,
E nos leva como o vento,
Não me deixes só…
Fica comigo…
Entrega-te apenas ao momento…"
De L. a 11 de Abril de 2010 às 09:56
Caro Anónimo,

Não lhe deve ser alheio o facto de que eu sou a autora desse poema. :) O que me leva a crer que deverá ser uma pessoa muito importante na minha vida, uma vez que nunca ousei mostrá-los a mais ninguém. Esse é um poema já antigo, talvez dos tempos do secundário ou do inicio da faculdade, até porque nunca mais voltei a escrever. Vai desvendar o mistério? fly2neverland@sapo.pt!

Obrigada!

L.
De Anónimo a 11 de Abril de 2010 às 01:18
dava uma boa musica
De Anónimo a 11 de Abril de 2010 às 11:27
Encontrei isto ontem, achei que devia partilhar. Escrevias e escreves mesmo bem, tens mesmo que publicar os teus poemas.
De L. a 11 de Abril de 2010 às 12:40
E não vou saber quem és...? Vá lá... [obrigada por partilhares, às vezes quase me esqueço destas 'coisas'...]
De Anónimo a 11 de Abril de 2010 às 12:58
Não sabes quem sou?!
Piu! :D
De L. a 11 de Abril de 2010 às 16:42
Esse 'piu' deu-me uma pista... Mas posso estar redondamente enganada. É melhor dizeres-me.:)
De Anónimo a 11 de Abril de 2010 às 20:58
Não te digo absolutamente nada, adivinha se conseguires :D
Andaste a espalhar tantos poemas por aí para não saberes?
Piu

Comentar