Quarta-feira, 21 de Julho de 2010

.Eternal Sunshine of the Spotless Mind*

(este texto contém spoilers - sempre quis dizer isto)

 

Nos últimos dias comecei quatro posts que terminaram na Reciclagem. Alguns já depois de escritos, lidos, reformulados. Apaguei-os sem pensar duas vezes. Tenho preferido apoderar-me das palavras dos outros para dizer o que me vai na alma. Mas as minhas palavras continuam cá dentro, agarradas ao que penso, ao que sinto, porque, ao contrário do filme que finalmente vi no domingo, somos obrigados a carregar com tudo, sem oportunidade de apagar o que quer que seja (e valeria a pena?). Na hora de decidir, seguimos em frente conscientes de todos os antes acumulados.

“Tudo tem uma razão de ser – não acreditas no destino?”, responde-me a So. na nossa viagem de quatro horas. Terminei de ver o filme com as palavras dela a ecoarem na minha cabeça. De todas as personagens a quem é dada uma segunda oportunidade, todas voltam a encontrar o que um dia tentaram esquecer. Estaremos todos irremediavelmente destinados a qualquer coisa? Sabendo nós o que correu mal, o que nos fez querer seguir em frente, podemos voltar a desejar o passado? Guardamos na alma detalhes suficientes para voltarmos ao que já sentimos um dia? Conhecer os nossos erros é a melhor solução para não voltar a cometê-los?

Já me tinham falado várias vezes do filme. “Tu, que gostas de filmes estranhos, vais passar-te com isto”, “Tu, que vês sinais em todo o lado, vais ficar a pensar naquilo a vida toda”, “Tu tens que ver isto porque preciso que alguém o discuta comigo”. E eu, que gosto de filmes esquisitos, passei-me com aquilo. Eu, que vejo sinais em todo o lado, continuo agora a ver as cenas a desenrolarem-se na minha cabeça. Eu precisava mesmo de escrever sobre isto.

No final, sabendo tudo, depois de tudo esquecer, temos sempre duas opções, diz-nos o filme. Agarramos em todas as nossas falhas passadas e tentamos fazer-nos ao mesmo caminho de antes, atentos aos erros de outros dias; ou arrumamos as tralhas na mala e procuramos outro rumo, sabendo que um dia o outro não nos serviu e que quisemos simplesmente eliminá-lo. A minha começa a desenhar-se.

 

 

* Obrigada pela partilha. Do filme, do sofá, do dia, de ti.

 

Lá fora: 

“Blessed are the forgetful: for they get the better even of their blunders.”, Friedrich Nietzsche

Quinta-feira, 26 de Junho de 2008

.Chicago

É um dos filmes da minha vida. Não sei. Talvez seja da história. Da música. Da dança. Das letras. Identificação? Não. Só com esta. A do Amos.

 

 Mr. Cellophane

 
Amos:
If someone stood up in a crowd
And raised his voice up way out loud
And waved his arm and shook his leg
You'd notice him
 
If someone in the movie show
Yelled "Fire in the second row
This whole place is a powder keg!"
You'd notice him
 
And even without clucking like a hen
Everyone gets noticed, now and then,
Unless, of course, that personage should be
Invisible, inconsequential me!
 
Cellophane
Mister Cellophane
Shoulda been my name
Mister Cellophane
'Cause you can look right through me
Walk right by me
And never know I'm there...
 
I tell ya
Cellophane
Mister Cellophane
Shoulda been my name
Mister Cellophane
'Cause you can look right through me
Walk right by me
And never know I'm there...
 
Suppose you was a little cat
Residin' in a person's flat
Who fed you fish and scratched your ears?
You'd notice him
 
Suppose you was a woman, wed
And sleepin' in a double bed
Beside one man, for seven years
You'd notice him
 
A human being's made of more than air
With all that bulk, you're bound to see him there
Unless that human bein' next to you
Is unimpressive, undistinguished
You know who...
 
Cellophane
Mister Cellophane
Shoulda been my name
Mister Cellophane
'Cause you can look right through me
Walk right by me
And never know I'm there...
I tell ya
Cellophane
Mister Cellophane
Shoulda been my name
Mister Cellophane
'Cause you can look right through me
Walk right by me
And never know I'm there
Never even know I'm there.
 
Hope I didn't take up too much of your time.
 

 

tags: ,
Terça-feira, 17 de Abril de 2007

One last kiss...?

 

"Olhei para a frente e não havia surpresas... Era bom, mas sempre igual."

Terminamos a faculdade, conseguimos o emprego que queremos, estamos com a pessoa certa e olhamos para o futuro: os dias sempre iguais. Como resistir a um pequeno fôlego nas nossas vidas? Como tornar cada dia suficientemente diferente e entusiasmante para resistir à brisa que às vezes sopra...? Eu já aprendi! ;)

Estou:
Lá fora: Amy Winehouse - Rehab
tags:
Quarta-feira, 4 de Abril de 2007

A compôr a música da minha vida

 

Ontem fui ao cinema ver "Music and Lyrics" e sai de lá com um sorriso na cara. Ando numa de filmes light... Quando escolho um livro ou um filme é também porque quero viver outras vidas, outras histórias... Para triste e com final incerto basta a nossa própria história. Amor, humor e um final feliz em boa companhia. Há melhores ingredientes para esquecer a rotina diária? :)

Estou:
Lá fora: Way Back Into Love - Haley Bennett & Hugh Grant
tags:
Sexta-feira, 9 de Março de 2007

Labirinto de Fauno

Para sonhar e chorar também... Sem a fantasia, a realidade é apenas um lugar sombrio. ["A princesa reinou com justiça e bondade por muitos e muitos séculos. E a presença dela continua, mas só para os que sabem olhar"].

 

"E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada

Que seja a minha noite uma alvorada,

Que me saiba perder... p'ra me encontrar..." [Florbela Espanca]
Estou:
tags:

.Eu

.pesquisar

 

.Setembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30

.Agora

. .Eternal Sunshine of the ...

. .Chicago

. One last kiss...?

. A compôr a música da minh...

. Labirinto de Fauno

.Ontem

.tags

. todas as tags

.Mundo


View My Stats
blogs SAPO

.subscrever feeds